Na Cozinha
Diário de bordo: Os sofrimentos de uma dieta restritiva
por Mayara Costa    Dia 18/04/2016      Na Cozinha

Oi galera, volteeeeeei! Para quem pensou que eu tinha desistido da reeducação alimentar, enganou-se! Estou firme e forte. Acabei de sair de uma dieta restritiva, que foi muuuuito difícil. A regra era a seguinte: Não comer nenhum tipo de carne e derivados (como leite, queijo, margarina, iogurte, ovo, etc.) e nada refinado (como farinha branca e açúcar). Assim que a nutricionista me propôs esse desafio eu pensei: IMPOSSÍVEL! Pensem comigo… se tirar tudo isso, o que sobra? Eu resolvi aceitar o desafio para descobrir a resposta. Antes de mais nada, é importante ressaltar que não se deve fazer nenhuma mudança radical na alimentação sem acompanhamento de um especialista, pois cada organismo reagirá de uma forma.

Vamos primeiro falar das vantagens que aprendi com tudo isso:

Sou mais forte do que imaginava. Eu nunca pensei que poderia dizer não para chocolate e outros doces por tanto tempo!
Aprendi a ter autocontrole sobre o que comer e não comer. Olhar para uma mesa farta de coisas gostosas e só pegar o que é saudável, dentro do combinado… gente, muito tenso, mas NÃO é impossível! Até sobrevivi à páscoa, SEM COMER CHOCOLATE!
Aprendi a pesquisar novas receitas, comer coisas novas: arroz integral; fazer pão caseiro, sem utilizar farinha branca; pão de queijo, sem queijo; panqueca com farinha integral e sem ovo; molho branco sem creme de leite e margarina; macarrão integral; tapioca com recheio de legumes; leite e carne de soja; conheci e gostei do queijo vegano, enfim, existem receitas vegetarianas/veganas para todos os gostos. (Depois vou compartilhar com vocês essas receitinhas!)

Agora as dificuldades que tive nesse período:

Fazer dieta é um ato solitário. A decisão de entrar na dieta e manter-se nela diariamente só depende de você. A motivação tem que vir de você, alguns te apoiaram, outros não, mas ninguém poderá te ajudar. E ver os outros comendo o que você não pode comer é a parte mais difícil.
Substituir os nutrientes das comidas que você não pode comer pelas que você precisa. Como exemplo, para mim, que como carne e bebo leite, tive que somar ao cardápio mais brócolis e castanhas para suprir as proteínas e cálcio. Por isso que é importante fazer isso com acompanhamento de um profissional.
Custo. Uma dieta dessas precisa ser planejada financeiramente, afinal, legumes, castanhas, grãos, produtos diet e de soja são bem mais caros.

Sinceramente, não concordo com dietas extremistas como esta, mas foi uma experiência bem marcante nessa minha jornada para mudança dos meus hábitos alimentares. Agora o cuidado é para não voltar a comer, de forma descontrolada, tudo o que eu gosto. E quanto ao resultado de tudo isso? Hoje, generalizando todo o processo que venho enfrentando, estou 12 quilos mais magra. E continuarei na luta até chegar no meu peso ideal.

Mayara Costa
COMENTÁRIOS
Comente com
MAIS LIDAS